Baleia Piloto + David Pires

Baleia Piloto nasceu em 2017 entre conversas e deambulações de três amigos, junto ao paredão marítimo que une Cascais a Lisboa. Nestes encontros surgiu um impulso criativo para fazer canções que misturassem memórias antigas com paisagens sónicas ainda por desbravar.

DAPUNKSPORTIF apresentam Old, New, Fast’n’Slow

Os DAPUNKSPORTIF surgem em finais de 2004 em Peniche (Portugal) tendo por base o duo e núcleo criativo João Guincho e Paulo Franco, companheiros de longa data noutros projectos, e o produtor Marco Jung. Apesar das várias influências musicais tudo nos conduz à presença de uma banda Rock na verdadeira acepção da palavra. Um Rock visceral apoiado nos riffs de guitarras eléctricas sem limite de velocidade e à boleia de uma secção rítmica desenfreada.

Democrash apresentam Propelled By Gas From Cans Of Soda

Os Democrash começaram em meados de 2014 a tocar o que sabiam e lhes apetecia sem estarem preocupados com o resultado final. Cruzando o rock com o punk e o funk, new wave/no wave, electrónicas vintage e white noise, performance e art punk, deixando sempre muitas arestas por limar numa conjugação de energia aplicada aos instrumentos e aos microfones, conferindo ao seu som final um ambiente de inacabado com uma carga explosiva gritante.

Anarchicks

Anarchicks são: Adam d’Armada Moreira (Guitarra), Mariana Rosa (Guitarra), Catarina Henriques (bateria), Helena Andrade (baixo) e Rita Sedas (voz).

Artigo 21 + Campfire

Os Artigo 21 estão de regresso à estrada, onde a mudança é consumada ao vivo. Num patamar criativo elevado, os Artigo 21 misturam na perfeição a melodia e agressividade, com coros e refrões fortes, aliados a letras inteligentes e a uma energia cativante. Tudo isto é fruto da insistência, luta e trabalho continuado desta banda nascida nos subúrbios da capital. A abertura da noite fica a cargo dos Campfire.

The Twist Connection

Os Twist Connection são uma banda de rock’n’roll que mergulha nas raízes da segunda metade do século XX, alimentando-se do rockabilly dos anos 50, do fervor do garage dos anos 60 e da urgência punk do final dos anos 70, catapultados para o século XXI de olhos postos no futuro.